Sofrimento que a Lucia nunca revelou

Eu tinha só dez anos e estava suando frio, com as mãos geladas e a cabeça quente em frente a um exame de recuperação de matemática no qual havia somente duas equações. Uma eu tinha acertado, mas a outra não dava certo de jeito nenhum, por mais que eu apagasse e começasse de novo.

Na frente da sala de aula estava a durona e inflexível Irmã Zildete, professora de matemática do quarto ano do ensino fundamental da época. Nem adiantava qualquer olhar de súplica ou pedido de ajuda.

A razão por eu estar de recuperação era uma outra prova no mesmo estilo: somente duas equações matemáticas. A única opção era acertar as duas de forma completa. Errando uma, a nota seria o inaceitável 5, que me deixou de recuperação.

Além do nervosismo de não conseguir fazer o exercício, eu sentia também muita vergonha por ter ficado de “exame”, já que sempre tirava as melhores notas.

Após fracassar mais algumas vezes em chegar ao resultado da equação (que foi fornecido na prova), eu tive a ideia de pedir para ir ao banheiro. Como não havia como “colar”, pois não era possível decorar a equação ou pedir ajuda de alguém sem ter a prova na mão, a irmã me concedeu esta “benção”.

sofrimento que a Lucia nunca revelou

Estando no banheiro que era um ambiente menos intimidador, lavei as mãos e o rosto, respirei com mais tranquilidade, relaxei e olhando no espelho falei para mim mesma: “Lucia, você consegue!” (Nem sei de onde tirei esta automotivação.)

Voltei para a sala de aula, apaguei o que eu tinha feito da equação que não estava dando certo e recomecei com mais calma. E quase que por milagre cheguei ao resultado correto! Que alívio e alegria!!!

Os anos se passaram, eu segui sendo uma ótima aluna e nem passava pela minha cabeça que somos obrigados a seguir um sistema de avaliação injusto mais preocupado em saber as respostas certas do que fazer perguntas e despertar a curiosidade e a criatividade.

Você já parou para pensar se o método educacional vigente faz a gente aprender para se tornar competente na vida ou é só uma questão de decorar o máximo possível para passar nas provas e obter um diploma?

Assim como eu, milhões de estudantes sofrem, ano após ano, com um formato pedagógico que não muda desde o século XIX. É o método de ensino que deve ser reprovado, não os alunos.

Por isso que eu sempre digo e repito: você não é culpado por suas dificuldades de estudos; a culpa é do método.

Se você concorda, esta é sua chance de pensar fora da caixa e aprender a estudar com foco, concentração, e acima de tudo, compreensão.

O método de estudo desenvolvido por L. Ron Hubbard, e conhecido carinhosamente como Aprendendo a Aprender, é o que você precisa para dar um basta a qualquer sofrimento nos estudos e dificuldades de aprendizagem.

Adquirindo o livro mais completo sobre este assunto intitulado Manual Básico de Estudo, você recebe minha aula online explicativa e ajuda para aplicação.

Então, aqui está o sofrimento que a Lucia nunca revelou. Escreva nos comentários os sofrimentos pelos quais você passou em todos os seus anos de estudos.

2 comentários em “Sofrimento que a Lucia nunca revelou

  1. Rodrigo Coutinho Responder

    também tive dificuldades em física durante o Ensino médio e fiquei de “exame” hoje compreendo que eu não sabia e não entendia as formulas por falta não saber o significado das equações.

    • Lucia Winther Autor do postResponder

      Compreendo. Isso é muito comum.
      Felizmente, agora você já sabe como estudar para obter compreensão completa!
      Abs, Lucia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.